Ir para o conteúdo

Prefeitura Municipal de Monte Mor / SP e os cookies: Nosso site usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar você concorda com a nossa Política de Cookies e Privacidade.
OK
Prefeitura Municipal de Monte Mor / SP
Acompanhe-nos:
Rede Social Facebook
Rede Social Instagram
Rede Social YouTube
Notícias
Enviar para um amigo!
Indique essa página para um amigo com seus dados
Obs: campos com asterisco () são obrigatórios.
Enviando indicação. Por favor, aguarde...
AGO
09
09 AGO 2021
CULTURA
Monte Mor dá exemplo de reconhecimento ao povo indígena e inaugura OPY
enviar para um amigo
receba notícias
PROCESSANDO ÁUDIO
A habitação indígena foi construída no Museu “Elizabeth Aytai” que é referência em todo país e faz guarda de material arqueológico.

Monte Mor dá exemplo e às vésperas do Dia Internacional dos Povos Indígenas, nesta segunda-feira, dia 9 de agosto, data estabelecida pela ONU (Organização das Nações Unidas), inaugura a “Casa dos Saberes Ancestrais”. Trata-se da denominação da OPY, habitação indígena, construída nas dependências externas do Museu Municipal de Monte Mor “Elizabeth Aytai” e que foi inaugurada no último sábado, dia 7, pelo governo do prefeito Edivaldo Brischi (PTB). 

É válido destacar que, idealizado pelo museólogo reconhecido nacionalmente, Desiderio Aytai, o museu de Monte Mor tornou-se referência em todo país. O local, inclusive, faz guarda de material arqueológico de escavações por todo o Estado de São Paulo. 

O prefeito destacou na inauguração da OPY que quer fazer o bem por Monte Mor e que a Cultura é um grande instrumento para este objetivo. Edivaldo Brischi comentou que a OPY foi um projeto iniciado pelo saudoso diretor de Cultura de Monte Mor, Marcelo Menegatti, que faleceu no dia 17 de abril deste ano, e representa o reconhecimento do município ao povo indígena. “O povo indígena está na raiz da formação da nação brasileira e a OPY em nossa cidade servirá de palco para garantir a preservação desta tradicional cultura, assim como será utilizada para ações que possam fortalecer a manutenção de seus direitos básicos, que geralmente são tão limitados ”, destacou Edivaldo Brischi.

A solenidade contou com a presença de 22 indígenas da Aldeia Rio Silveiras do Cacique Adolfo Timóteo e membros das seguintes etnias, Baniwa, Bare,Tukano, Ticuna, Wanano, Guarani, Tupi Guaraní Mbya ,Xucuru Cariri , Borun. A consagração foi feita pelo Pajé Livies. O evento foi fechado para autoridades e convidados, em função das regras de distanciamento social perante ao cenário da pandemia da COVID-19. Todas as exigências sanitárias foram seguidas, com uso obrigatório de máscara, distanciamento social e disponibilização de álcool em gel.

Participaram do evento, a secretária municipal de Desenvolvimento Econômico e Social e primeira-dama,  Elaine Ravin Brischi, e os vereadores Altran (MDB), Andréa Garcia (PTB), Nelson Almeida (Solidariedade) e Vitor Gabriel Vereador, o Bi (PSDB). Também prestigiaram a solenidade alguns secretários municipais, entre eles, da Educação, Cultura e Turismo, Mario Franco; da Saúde, Silvio Corsini; de Esportes, João Vitor Muro; de Defesa Civil,  Elias Miguel Jalbut Defesa Civil; além do Procurador Geral, Renato Violardi; diretores e servidores municipais. Ainda entre os convidados estiveram presentes, a secretária de Cultura da cidade vizinha de Elias Fausto, Andreza Ramos, representando o prefeito Maurício Baroni; a historiadora, Zilda Rangel. 

A OPY

A realização do projeto da OPY, iniciado em Monte Mor no dia 24 de maio, é da Secretaria de Educação, por meio da Diretoria de Cultura e Turismo, em parceria com a empresa MATIS Consultoria em Arqueologia. Já a execução teve a frente o Txaramoi (conhecedor das ervas), Sergio Karay, juntamente, com sua filha, que é coordenadora do Coletivo Etno Cidades e trabalha com indígenas em situação urbana, Lu Ahamy. Também participaram da construção da Opy os indígenas Daniel Awa Mbaraetea, Gildo Nhamandu'ai e Vagner Tupã. 

Todos os indígenas envolvidos no projeto são integrantes da etnia Guarani mbya, que vieram da Tekoa (Aldeia) Rio Silveiras, originária da cidade de Bertioga, no litoral Sul de São Paulo, especialmente para participar da ação em Monte Mor.

De acordo ainda com a Diretoria de Cultura e Turismo a OPY foi construída em madeira e palha e é considerada como a maior casa de uma comunidade indigena. Afinal, dentro dela são realizados rituais de casamentos ,batizados e agradecimento ao nosso grande espírito,"Nhanderu Tupã".

Segundo o Coordenador de Projetos Culturais, Marcelo Lírio, a OPY servirá como polo de realização de projetos para valorização da cultura indígenas. A intenção é realizar no local oficinas e atividades culturais e artísticas dos povos originários. Ele destaca que Monte Mor já vem colhendo frutos do projeto, com a realização de parceria entre a Secretaria de Educação, Cultura e Turismo e a equipe de formação com o Instituto Técnico Federal de Hortolândia, representado pela diretora Caroline Jango. “O objetivo é realizar na nossa OPY, cursos de formação para os professores da rede municipal de ensino de Monte Mor, assim como atividades pedagógicas, em cumprimento a Lei Federal Nº 11.645, de maio de 2008,que torna obrigatório o ensino da história e cultura Afro Brasileira e Indígenas nas escolas”, comentou.
Seta
Versão do Sistema: 3.2.2 - 02/05/2022
Copyright Instar - 2006-2022. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia