PREFEITURA DE MONTE MOR INVESTE EM EDUCAÇÃO E SAÚDE ACIMA DA EXIGÊNCIA CONSTITUCIONAL



As áreas de educação e saúde receberam recursos de R$ 71,5 milhões da Prefeitura de Monte Mor em 2020. O índice de aplicação do total de receitas do Município na educação foi de 27,26% e na saúde foi de 24,86%, superando as exigências constitucionais de 25% e 15%, respectivamente. Os números foram apresentados pela diretora municipal de Finanças Josiane Almeida, nesta quarta-feira (19 de fevereiro), na Câmara Municipal, durante audiência pública de Finanças para apresentação do 3° quadrimestre fiscal de 2019.
Os investimentos acima da exigência constitucional em Educação e Saúde vem ocorrendo desde o primeiro ano de governo do prefeito Thiago Assis, em 2013, garantindo uma rede municipal de educação forte e uma saúde capaz de absorver as demandas crescentes do município.

“Nestes sete anos de governo avançamos muito em Educação. Já entregamos três novas escolas, ampliamos diversas unidades de ensino e todas as mais de 30 escolas receberam algum tipo de reforma. Garantir a infraestrutura adequada é nosso compromisso. Além disso contamos com excelentes professores, um sistema apostilado de ensino, o mesmo que é oferecido por escolas particulares, temos uma merenda reconhecidamente de qualidade. Tudo isso reflete diretamente no ensino das nossas crianças e jovens. O Índice da Educação Básica (Ideb) cresceu acima da média em Monte Mor. Todos os anos diversos alunos são premiados nas mais diversas olimpíadas de conhecimento. Tudo isso é fruto do nosso compromisso com a educação e por isso investimos acima do mínimo exigido. Lembrando que neste ano vamos inaugurar mais duas escolas, uma no São Clemente e a outra no Quinhões do Boa Esperança”, destacou o prefeito Thiago Assis.

Já em relação ao setor de saúde, Thiago afirma que os investimentos realizados em seu governo vem transformando a atenção básica e o Pronto Atendimento. “As pessoas se recordam que em 2012 a nossa rede municipal estava terceirizada, sendo conduzida pelo ISAMA. As unidades estavam montadas em casas alugadas, sem infraestrutura, e conviviam com a falta de médicos, enfermeiros, entre outros profissionais e também com a falta de remédios. A maternidade estava com a porta fechada e o Hospital estava agonizando. Quando assumi em 2013 triplicamos o valor repassado ao Hospital, saltando de R$ 300 mil mensais para mais de R$ 1 milhão. Como resultado a maternidade foi reaberta e o Hospital não ficou um dia sequer sem médicos. Já na rede municipal, reassumimos a Saúde, fizemos concurso público, contratamos médicos, enfermeiros e outros profissionais, construímos oito novas unidades, acabamos com os alugueis, e fecharemos nossa Administração com 10 unidades em funcionamento. Nosso governo teve coragem para investir em saúde e temos a mais absoluta certeza que fizemos a coisa certa”, afirmou Thiago.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *