POR MAIS RECURSOS DO SUS, MONTE MOR CADASTRARÁ 30,5 MIL USUÁRIOS DA SAÚDE



A Prefeitura de Monte Mor, por meio da Secretaria de Saúde, iniciou um amplo trabalho de cadastramento dos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) do município, conforme exigência do Ministério da Saúde. No fim do ano passado, o Governo Federal lançou o programa “Previne Brasil”, alterando a forma como os recursos do SUS serão repassados aos municípios brasileiros.

Em todo o País, mais de 50 milhões de pessoas deverão ser incluídas na atenção primária, serviço prestado em Monte Mor pelas Unidades de Saúde da Família.

De acordo com a secretária municipal de Saúde Priscila Lauria Chacon os agentes comunitários de saúde já iniciaram o trabalho de cadastramento. “Todos os agentes comunitários contam com tablets para agilizar o processo de cadastramento. Nossa meta é incluir cerca de 30,5 mil pessoas na lista de usuários do SUS. Esse trabalho, junto com as diretrizes da atenção básica, deve garantir um incremento de R$ 1,4 milhão em 2020, fortalecendo nosso programa de Saúde da Família”, destacou Priscila.

Para se ter ideia da importância do cadastramento, no ano passado a atenção básica recebeu do SUS cerca de R$4,6 milhões e com o planejamento proposto pela Secretaria de Saúde o montante para 2020 deve chegar aos R$6 milhões. “Fizemos o planejamento, equipamos os agentes com os tablets para que possamos cadastrar efetivamente todos os pacientes que usam o SUS em Monte Mor e assim garantir R$1,4 milhão a mais para investimentos em nossas Unidades de Saúde da Família”, completou a secretária.

O cadastro será realizado nas unidades de saúde e durante o trabalho de visita domiciliar. Para efetivar o cadastro o paciente deve ter em mãos o RG, CPF, Certidão de Nascimento – no caso dos usuários que não possuírem RG, principalmente crianças – e o Cartão Nacional de Saúde (Cartão SUS).

MUDANÇA

Antes da nova exigência do Ministério da Saúde, a distribuição de subsídios financeiros era feita com base na quantidade de pessoas residentes e dos serviços prestados por município, sem considerar o atendimento efetivamente prestado pelas unidades.

Agora, os recursos serão repartidos segundo três critérios: número de pessoas acompanhadas nos serviços de saúde; trabalho focado no tratamento de doenças crônicas, como diabetes, e redução de mortes de crianças e mães; e adesão a programas estratégicos, entre eles Saúde Bucal e Saúde na Hora.

MAIS MUDANÇAS

A necessidade de apresentação do CPF é outra mudança no cadastramento feito pelos profissionais de saúde e gestores no Sistema de Informação da Atenção Básica (Sisab). A partir das modificações, o documento também será exigido, além do Cartão SUS. A intenção é facilitar a busca ativa dos pacientes, em casos de retornos sobre exames, consultas, situação vacinal, e demais circunstâncias.

 

Outra alteração é a quantidade de indicadores de avaliação, referentes à saúde da população: de 720, o número foi reduzido para 21. Entre os pontos que serão examinados estão a realização de consultas pré-natais e a vacinação em crianças. O monitoramento de indicadores será feito a cada quatro meses a partir de setembro de 2020.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *